Thursday, May 21, 2015

Castro e Cendrars


Num livro póstumo de Louis Parrot (1906-1948), na suculenta colecção «Poètes d'Aujourd'hui» da Seghers (vol. 11) sobre Blaise Cendrars (Paris, 1948), (são também de sua autoria os volumes 1 e 7, respectivamente sobre Éluard e Lorca), leio sobre a influência que a leitura de Ferreira de Castro provocaram em poemas de temática brasileira de Feuilles de Route ou em narrativas como «En trasantlantique dans la Forêt» -- tudo a ler cum granum salis, como se voltou a dizer:

«Dans sa descritption de la forêt, Blaise Cendrars atteint à la puissance d'um Ferreira da [sic] Castro, l'un des plus grands écrivains d'aujourd'hui, le Kipling portugais, qui très pauvre, partit à douze ans pour le Brésil, y connut la vie des plus misérables émigrants, des "seringueiros", et nous donne dans son chef-d'oeuvre, A Selva, La Forêt Vierge, le témoignage d'un homme tout pénétré de souffrance et d'amour [...] Da [sic] Castro a trouvé en Cendrars un égal, un homme qui, sans avoir la même expérience de la vie brésillienne, en a su cependant comprendre tout l'essentiel.» (pp. 66-67)
É de notar que a notoriedade de Ferreira de Castro em França era então grande -- foi nesse ano feito sócio-honorário da Socité des Gens de Lettres de Paris -- fundada por Balzac, Hugo, Dumas e George Sand, sendo à época presidida por Maurice Bedel. Ainda hoje, a França é o país em que Castro está mais presente, mais ainda do que no próprio Brasil, se exceptuarmos a região amazónica e as cidades de Belém e Manus.

Wednesday, May 20, 2015

Sérgio Luís de Carvalho fala sobre O INSTINTO SUPREMO

Sérgio Luís de Carvalho, Prémio Ferreira de Castro de Ficção Narrativa / 1989 
com o romance Anno Domini 1348
«Ler Ferreira de Castro, 40 anos depois»
22 de Maio, sexta-feira, pelas 19 h.
no
Musa - Museu das Artes de Sintra
tel: 219238828




Sunday, May 17, 2015

Ferreira de Castro nos dicionários (27) - posição relativa no PDALP

1- Ferreira de Castro, 21 cm.
2- José Rodrigues Miguéis, 15 cm. (foto em extratexto)
(Júlio Dinis, 14 cm.)
3- Aquilino Ribeiro, 13,8 cm. (foto em extratexto)
4- Fernando Namora, 10,9 cm.
5- Joaquim Paço d'Arcos, 9,6 cm.
6- Alves Redol, 8,2 cm.
7- Maria Archer, 7 cm.
8- Assis Esperança, 6,5 cm.
9- Manuel Ribeiro - sem entrada

Thursday, May 14, 2015

Ferreira de Castro nos dicionários (26) - o Pequeno Dicionário de Autores de Língua Portuguesa


PEQUENO DICIONÁRIO DE AUTORES DE LÍNGUA PORTUGUESADa autoria de Fernanda Frazão e Maria Helena Boavida, o PDALP é uma edição dos Amigos do Livro, Lisboa, 1983. Não sendo perfeito, não há dicionários perfeitos, é melhor e mais completo do que alguns de maior projecção. Eu próprio, aliás, desconhecia-o até há pouco.
Uma boa entrada sobre Ferreira de Castro, com pequenas falhas (onde não as há?).
Referindo-se à obra «fortemente inovadora e pessoal» do autor, salienta Emigrantes e A Selva, «consagra[grando-o] como intérprete dum populismo visceral que só viria a encontrar eco na geração seguinte e que nele é visão cósmica, evocação daquilo que no homem é instinto puro animal mas também identificação com o desafio às eternas forças primordiais. da natureza.» A partir de A Lã e a Neve, segundo as autoras, os seus romances «reflectem um domínio, entre nós inigualado na montagem da ficção[..]».

Tuesday, May 12, 2015

José Manuel Mendes fala sobre A CURVA DA ESTRADA

«Ler Ferreira de Castro, 40 anos depois»
15 de Maio, sexta-feira, pelas 18 h.
no
Museu Ferreira de Castro
tel: 219238828


Wednesday, May 06, 2015

Ferreira de Castro nos dicionários (25) -o "Suplemento" Dicionário de História de Portugal


Obra notabilíssima publicada entre 1963 e 1971, pelo grande Joel Serrão, teve, no final do século passado, uma actualização em três volumes, coordenados por António Barreto e Maria Filomena Mónica, a convite do seu organizador original. O verbete sobre Ferreira de Castro (vol. VII, Porto, Figueirinhas, 1999) é de Paulo Morais Alexandre e, basicamente, bem redigido, embora com pequenas imprecisões, acaba, no entanto, por revelar as mesmas insuficiências, no que respeita ao percurso cívico-político durante o Estado Novo, que já salientei aqui, não obstante as remissões, que oportunamente irei analisar.


Quanto às dimensões das entradas daqueles de quem nos temos vindo a ocupar, são as seguintes:

!. Alves Redol, 28,7 cm., com foto (por Carlos Reis);
2. Aquilino Ribeiro, 27,5 cm., com foto (por Carlos Reis)
3. José Rodrigues Miguéis, 24,9 cm. (por Maria José Marinho);
4. Fernando Namora, 20,1 cm. (por Carlos Reis);
5. Ferreira de Castro, 19 cm., com foto (por Paulo Morais Alexandre);
6. Joaquim Paço d'Arcos, 10,9 cm. (por Nuno Júdice);
 Manuel Ribeiro, Assis Esperança e Maria Archer não têm entradas próprias.

Monday, May 04, 2015

Ferreira de Castro nos dicionários (24) - posição relativa no Dicionário de História do Estado Novo

1. Fernando Namora (por Ana Maria Pereirinha): 67,5 cm.
2. Alves Redol (por Ana Maria Pereirinha): 55,9 cm.
3. Ferreira de Castro (por Patrícia Esquível): 42,6 cm.
4. Aquilino Ribeiro (por Clara Crabée Rocha): 41,6 cm.
5. José Rodriguesd Miguéis (por Clara Crabée Rocha): 33,4 cm.
6. Joaquim Paço d'Arcos (por Patrícia Esquível): 16,1 cm.

Thursday, April 30, 2015

Ferreira de Castro nos dicionários (23) - o Dicionário de História do Estado Novo

Coordenado por Fernando Rosas e J. M. Brandão de Brito, Venda Nova, Bertrand Editora, 1996. O verbete sobre Ferreira de Castro é de Patrícia Esquível. Correcto, imprecisões mínimas (algumas datas). A inserção num dicionário de História tem várias justificações: não apenas a circunstância do peso intelectual, da gravitas de que se revestia Ferreira de Castro enquanto escritor, ao lado de um Aquilino Ribeiro, um José Régio e poucos mais; o texto realça e bem as ligações anarco-sindicalistas, como a presidencia do Sindicato dos Profissionais da Imprensa de Lisboa, que apanha em cheio com o 28 de Maio, os texto n'A Batalha, a direcção, já na década de 1930 de O Diabo ou a fundação, nos anos 50, e posterior presidência, no decénio seguinte da Associação Portuguesa de Escritores -- para além, como é óbvio, das próprias temáticas da sua literatura. Infelizmente, numa obra que tem como pano de fundo o Estado Novo, o papel do nosso autor no MUD ou na campanha de Norton de Matos, a constante insurgência contra a Censura ou o recorrente apoio a perseguidos políticos, nomeadamente como testemunha abonatória nos sinistros tribunais plenários, entre outros factos,Anarquismo e Neo-Realismo -- Ferreira de Castro nas Encruzilhadas do Século (2002) -- um e outros já posteriores à feitora deste dicionário.
 não têm aqui qualquer referência. Haverá, no entanto, uma explicação para esse vazio: a bibliografia citada termina com o livro de Álvaro Salema, de 1974, e só depois do 25 de Abril, algumas dessas questões foram estudadas e valorizadas, nomeadamente por mim (passe a pretensa autopromoção...), em artigos dispersos por vezes pouco acessíveis e no meu livro

Wednesday, April 29, 2015

Ferreira de Castro nos dicionários (22) - posição relativa no Dicionário da Literatura Portuguesa

(Júlio Dinis: 94,4 cm. autora: Isabel Pires de Lima)
1. Fernando Namora, 60,2 cm. (autor: Luís Forjaz Trigueiros)
2. Aquilino Ribeiro 57,8 cm. (autor: Óscar Lopes)
3. Alves Redol, 45,1 cm. (autor: Carlos Reis)
4. Ferreira de Castro, 41,5 cm. (autor: Urbano Tavraes Rodrigues)
5. José Rodrigues Miguéis, 29,3 cm. (autor: Henrique Chaves)
6. Joaquim Paço d'Arcos, 24,1 cm. (autor: Luís Forjaz Trigueiros)
7. Manuel Ribeiro, 20,3 cm. (autor: Álvarto Manuel Machado)
8. Assis Esperança, 14 cm. (autor: Álvaro Manuel Machado)
9. Maria Archer, 11,1 cm. (autor: Álvaro Manuel Machado)

Ferreira de Castro nos dicionários (21) - o Dicionário da Literatura Portuguesa

Um bom dicionário, dirigido por Álvaro Manuel Machado (Lisboa, Editorial Presença, 1996). O verbete sobre Ferreira de Castro é, tal como na Biblos, da autoria de Urbano Tavares Rodrigues.Grandes encómios para a generalidade dos romances, em especial A Selva, e desvaloriza as viagens (A Volta ao Mundo) e o longo roteiro d'As Maravilhas Artísticas do Mundo. Não se refere a A Tempestade nem a Pequenos Mundos e Velhas Civilizações e aOs Fragmentos, sendo possível que a redacção do verbete tenha ocoriido antes da publicação da peça póstuma Sim, Uma Dúvida Basta)

Tuesday, April 28, 2015

Ferreira de Castro nos dicionários (20) - posição relativa na Biblos

(Júlio Dinis  + Uma Família Inglesa  + A Morgadinha dos Canaviais: autor: Helena Carvalhão Buescu -  185,5 cm)
1. Aquilino Ribeiro  + A Casa Grande de Romarigães  + O Malhadinhas (autor: Urbano Tavares Rodrigues) 155,8 cm.
2. Alves Redol  + Barranco de Cegos  + Gaibéus (autores: António Apolinário Lourenço, Rosa Maria Goulart e Cristina Robalo Cordeiro Oliveira), 139 cm.
3. Ferreira de Castro,  + Emigrantes  + A Selva . (autores: Urbano Tavares Rodrigues e Sónia Brayner) 87,8 cm
4. José Rodrigues Miguéis (autora: Teresa Martins Marques): 59,6 cm.
5. Fernando Namora (autor: António Pedro Pita), 33,5 cm.
6. Joaquim Paço d'Arcos (autor: Taborda de Vasconcelos) 28,8 cm.
7. Maria Archer, 28 cm. (autor: Carlos Mendes de Sousa)
8. Manuel Ribeiro (autor: João Bigotte Chorão) 19,9 cm.
Assis Esperança (autor anónimo) 16,1 cm.

Ferreira de Castro nos dicionários (19) - a Biblos

Excelente Enciclopédia Verbo das Literaturas de Língua Portuguesa, com direcção colectiva de José Augusto Cardoso Bernardes, Aníbal Pinto de Castro, Maria de Lourdes Ferraz, Gladstone Chaves de Melo e Maria Aparecida Ribeiro, e coordenação editorial de João Bigotte Chorão, a Biblos é composta por cinco volumes publicados entre 1995 e 2005.
A entrada sobre Ferreira de Castro é de Urbano Tavares Rodrigues, num tom ensaístico muito interessante no âmbito dum verbete de dicionário, destaco o realce que dá ao porte do autor de A Lã e a Neve como "ficcionista de grande fôlego":
«Se na obra de Aquilino [pertence também a Urbano o texto sobre aquele, na Biblos], outro gigante do seu tempo, cada período é trabalhado como uma jóia, nos romances de Ferreira de Castro há que atender menos à perfeição do pormenor do que ao ímpeto da torrente e à arquitectura do conjunto.» (vol. I, col. 1070).
No vol. II (1997), há uma breve entrada sobre Emigrantes, não assinada; e no IV (2001) uma competente súmula de A Selva, por Sônia Brayner. 

Ferreira de Castro nos dicionários (18): posição relativa no DCAP

1. Aquilino Ribeiro (61,3 cm.)
2. José Rodrigues Miguéis (40 cm.)
3. Fernando Namora (38,9 cm.)
4. Joaquim Paço d'Arcos (37 cm.)
(Júlio Dinis - 28,8 cm.)
5.Alves Redol (27,3 cm.)
6. Ferreira de Castro (25,7 cm.)
7. Maria Archer (21,7 / 22,4 cm)*
8. Manuel Ribeiro (16,6 cm.)
9. Assis Esperança (10,2 cm.)

* Maria Archer, sobre cuja data de nascimento há dúvidas, surge nos vol. III e IV, com verbetes de diferente autoria.