Wednesday, April 22, 2015

Cristina Leimart fala sobre os contos de Ferreira de Castro

«Ler Ferreira de Castro, 40 anos depois»
24 de Abril, sexta-feira, pelas 19 h.
no
Museu Ferreira de Castro
tel: 219238828



Wednesday, April 15, 2015

Ferreira de Castro nos dicionários (16): posição relativa no Dicionário Biográfico Universal de Autroes

1. Ferreira de Castro -- 96,9 cm. (autor: João Palma-Ferreira)
2. Aquilino Ribeiro -- 89 cm. (autora: Maria Idalina Resina Rodrigues)
(Júlio Dinis -- 70,3 cm. äutor: Jacinto do Prado Coelho]¨)
3. Alves Redol -- 57,7 cm. (autora: Maria Idalina Resina Rodrigues)
4. Fernando Namora -- 51,5 cm (autora: Maria Idalina Resina Rodrigues)
5. José Rodrigues Miguéis -- 38,2 cm. (autor: L. R. [?])

Manuel Ribeiro, Assis Esperança, Maria Archer e Joaquim Paço d'Arcos não têm entradas)

Tuesday, April 14, 2015

Ferreira de Castro nos dicionários (15) - o Dicionário Biográfico Universal de Autores

João Palma-Ferreira
O Dicionário Biográfico Universal de Autores é um projecto da Artis, a partir da matriz italiana da Bompiani. Dicionário em cinco volumes, a parte luso-brasileira esteve a cargo de Luís de Albuquerque, Luís de Freitas Branco, Jacinto do Prado Coelho e Armando Vieira Santos. A publicação, inusitadamente longa, prolongou-se por 16 anos, entre 1966 e 1982.

O autor da entrada sobre Ferreira de Castro (vol. II, 1970) foi João Palma-Ferreira. A sua redação será anterior a 1963, uma vez que nem As maravilhas Artísticas o Mundo  nem O Instinto Supremo são referidos. Dela, importa-me destacar o seguinte: 

1) o relevo que dá à importância do escritor no âmbito da literatura de viagens -- nomeadamente A Volta ao Mundo --, género de tradição secular na cultura portuguesa; 

2) o enfoque no carácter dilemático, psicológico, na obra romanesca de Ferreira de Castro, neste passo que já citei por várias vezes noutras ocasiões, mas que -- até pela sua argúcia e pertinência -- volto a citar: «[...] é Ferreira de Castro o primeiro escritor ficcionista moderno que, em Portugal, se preocupa em colocar o leitor no centro de um problema de que foi obrigado a fazer prévia participação e de onde extraiu, pelo menos, um complexo de situações profundamente dramáticas e pessoais.» Curiosamente, as reservas expostas quanto ao estilo e à concretização narrativa não são da sua pena, mas referência ou citação de Óscar Lopes, que foi sempre ambivalente quanto a Ferreira de Castro. E se escrevo 'curiosamente' é por me parecer que Palma-Ferreira tinha bagagem teórica e conceptual, além  de estatuto, suficientes, já em 1970, para dispensar-se de tutelas.

3) uma originalidade, no âmbito destes verbetes para dicionários e enciclopédias, que é a sinalização de datas fundamentais no seu percurso literário, bem demarcadas quanto ao significado que encerram -- 1924, 1928 e 1944 -- com as quais, porém parcialmente discordo: 

Estou em desacordo quanto à primeira pois para o ensaísta, 1924 assinala na ainda incipiente obra castriana uma «produção de implicação simultaneamente social e psicológica». Quanto a mim, nada há distinga a ficção publicada anteriormente (mesmo sem irmos às primícias no Brasil). Creio, aliás, que só indirectamente Palma-Ferreira terá tido conhecimento desses títulos iniciais; 1928, claramente, é o ano de Emigrantes, e portanto uma data decisiva (embora, para mim, mais decisivo tenha sido 1927); já 1944, ano da conclusão da edição de a Volta ao Mundo, compreendendo-se na intenção de salientar do lugar de Ferreira de Castro na literatura de viagens, seria preferível, do meu ponto de vista, a sua antecipação para 1939, ano em que realizou o périplo, na companhia de Elena Muriel, servindo também como charneira entre Pequenos Mundos e Velhas Civilizações e A Volta ao Mundo.

Saturday, April 11, 2015

Ferreira de Castro nos dicionários (14): posição relativa no Dicionário de Literatura, de Jacinto do Prado Coelho,

João Pedro de Andrade
(Júlio Dinis + Uma Família Inglesa + A Morgadinha dos Canaviais + As Pupilas do Senhor Reitor) -- 210,2 cm: autores: Túlio Ramires Ferro e Luiz Forjaz Trigueiros [As Pupilas...])
1. Aquilino Ribeiro + Terras do Demo + O Malhadinhas -- 106,5 cm. (autor: João Pedro de Andrade)
2. Ferreira de Castro + A Selva -- 91 cm. (autor: João Pedro de Andrade)
3. José Rodrigues Miguéís -- 48 cm. (autor: José Palla e Carmo)
4. Maria Archer
  . Fernando Namora
  . Joaquim Paço d'Arcos
  . Alves Redol
  . Manuel Ribeiro (remissão para entradas com sínteses de conjunto: "Contemporâneos", "Neo-Realismo", etc.)
 9. Assis Esperança (sem qualquer remissão, três referências no índice onomástico)

Friday, April 10, 2015

Ferreira de Castro nos dicionários: (13): o Dicionário de Literatura, dirigido por J. Prado Coelho

Dirigido por Jacinto do Prado Coelho, e editado pela portuense Livraria Figueirinhas, compreende as literaturas portuguesa, brasileira e galega e ainda a estilística literária. Dos autores que seleccionei para esta sondagem, apenas três -- Castro, Aquilino e Miguéis (além de Júlio Dinis) -- têm entrada própria, a que acresce, com excepção de Miguéis, verbetes sobre alguns títulos, como veremos no próximo post.
Há 23 anos publiquei uma carta de João Pedro de Andrade a Ferreira de Castro, pedindo-lhe, em 1955, elementos para este dicionário*, que só seria editado por volta de 1960. Andrade, um excelente crítico e importante dramaturgo era um velho conhecimento de Ferreira de Castro, desde o tempo da revista A Hora (1922).
Do verbete sobre Ferreira de Castro (vol. I), informativo e biográfico como lhe cumpria, destaco a concisa análise das obras da primeira fase, pré-Emigrantes para o primeiro grupo romanesco do autor: «Ao inconformismo que se afirmava, através dum estilo imaginoso, em rebeldia por vezes destrutiva, sucede uma fase caracterizada pelo humanismo dos temas e pela atitude compreensiva, que não exclui combatividade implícita na objectividade quase fotográfica, com muito de reportagem.» Faltou-lhe, porém, a referência ao outros aspecto fundamental da obra castriana, o perscrutar da mentalidade de hoje e de sempre do Homem, aspecto que torna os romances de Ferreira de Castro não apenas um acervo realista duma certa época histórica, mas também uma sondagem psicologicamente fina do comportamento humano.
A entrada sobre A Selva  (vol. IV) é plenamente conseguida na exposição concisa das linhas de força da narrativa, bem como na caracterização estilística da obra.
Socorro-me da 4.ª edição, de 1980.

*100 Cartas a Ferreira de Castro, Sintra, Câmara Municipal / Museu Ferreira de Castro, 1992.

Wednesday, April 08, 2015

Fereira de Castro nos dicionários (12) -- posição relativa na Enciclopédia Verbo Luso-Brasileira de Cultura

(Júlio Dinis -- 35,4 cm.; autor: Jacinto do Prado Coelho)
1. Ferreira de Castro -- 18,2 cm.; autor: F.Jasmins Pereira;
2. Aquilino Ribeiro -- 14, 2 cm.; autor: Taborda de Vasconcelos;
3. Joaquim Paço d'Arcos -- 9,3 cm.; autor: T.S. Homem;
4. Manuel Ribeiro -- 9,2 cm.; autor: José Alves Pires;
5. Fernando Namora -- 9 cm.; autor: José Alves Pires;
6. José Rodrigues Miguéis -- 8,9 cm.; autor: José Alves Pires;
7. Alves Redol -- 6,8 cm.; autor: José Alves Pires;
8. Maria Archer -- 2,7 cm.; sem referência de autoria;
9. Assis Esperança -- sem entrada própria.

Tuesday, April 07, 2015

Ferreira de Castro nos dicionários (11) - a Verbo Enciclopédia Luso-Brasileira de Cultura

Ao contrário da Grande Enciclopédia Portuguesa e Brasileira, com vária colaboração republicana e oposicionista, a "Luso-Brasileira" da Verbo tem uma orientação vinculada à Igreja Católica, nomeadamente a Companhia de Jesus, pontificando os padres Manuel Antunes e João Mendes, mas também Vitorino Nemésio, entre outros.
Uma obra como a de Ferreira de Castro, de feição anarquista, ateia e, mitigadamente, embora, anticlerical, não podia ser entusiasticamente acolhida por aqueles lados.
O verbete é de F. Jasmins Pereira (vol. 4, 1966), autor, aliás, de um ensaio não despiciendo: Ferreira de Castro e a sua Obra (1956). É pena, porém, deixar-se condicionar pelo preconceito ideológico, de sentido contrário, de resto, ao que aponta a Ferreira de Castro.
Para Pereira, a pecha do nosso autor é um alegado "encerramento do seu universo romanesco a qualquer horizonte espiritual", restringindo essa espiritualidade à prática e crença religiosas, como se não houvesse metafísica, inquietação, mundo interior e transcendência fora da religião e da Igreja Católica em particular... É, por isso, muito crítico de livros como A Curva da Estrada  ou A Missão, por razões óbvias; apreciando, clara e curiosamente, romances subversivos como A Lã e a Neve ou A Experiência.
Em face de outras entradas que li nesta enciclopédia, esta até poderia ser uma das melhores. Foi pena.
Uma nota para a síntese excelente sobre Aquilino, de Taborda de Vasconcelos, os verbetes muito equilibrados de José Alves Pires  (Faculdade de Filosofia de Braga) sobre Manuel Ribeiro, José Rodrigues Miguéis, Alves Redol e Fernando Namora, e ao remoque não assinado no texto brevíssimo sobre Maria Archer (vol. 2), a propósito do "feminismo pretensamente evoluído" da autora.
Ao contrário do que sucede com a GEPB, esta não exibe qualquer retrato dos escritores referidos, com excepção de Júlio Dinis.

Monday, April 06, 2015

Ferreira de Castro nos dicionários (10) -- posição relativa na Grande Enciclopédia Portuguesa e Brasileira

(Voltando a notar que se trata de um mero indicador, uma vez que no caso da GEPB, a autoria dos verbetes é diversa, bem como o seu conteúdo. Por exemplo, a actualização da entrada sobre Joaquim Paço d'Arcos, resume-se a uma longa lista de bibliografia activa e passiva, traduções, prefácios, etc. -- certamente facultados pelo próprio -- que noutros casos se privilegiou menos. A falta de uniformização rigorosa para cada verbete, acaba, inevitavelmente, por condicionar, para cima e para baixo, a posição relativa de cada romancista.)

* (Júlio Dinis, 148 cm.)
1. Aquilino Ribeiro (79,8)
2. Joaquim Paço d'Arcos (59)
3. Ferreira de Castro (53,8)
4. Manuel Ribeiro (24,2)
5. Maria Archer (20,2)
6. Assis Esperança (19,7)
7. Alves Redol (19,3)
8. José Rodrigues Miguéis (18,1)
9. Fernando Namora (16,9)

Sunday, April 05, 2015

Ferreira de Castro nos dicionários (9): os dois verbetes da GEPB

Entre os dois verbetes da GEPB medeiam 15 anos: 1944 e 1959. Não assinados, como já referi, parecem não ter sido redigidos pelo mesmo autor. Enquanto que o primeiro carreia dados sobre dados biobibliográficos, entremeados por um ou outro elogio mais ou menos inócuo, a entrada de '59, sem descurar a actualização, procura caracterizar alguns dos títulos do autor, para lá dos elogios e das contingências do êxito editorial. Parecem-me especialmente interessantes as notas sobre Emigrantes, que «[...] trazia à novelística o tema novo  [negrito meu] do homem despaísado e errante, saudoso da terra natal e receoso de voltar a ela por vergonha de ter falhado [...]»; e também sobre Terra Fria, apresentado pelo redactor da GEPB como «[...] um drama da vida rural, construído como uma tragédia antiga [...]».

Ficha
volumes: 11 e 39
dimensões: 13,8 + 38 cm;
palavras: --
caracteres: --
retrato: sim

Saturday, April 04, 2015

Ferreira de Castro nos dicionários (8): a Grande Enciclopédia Portuguesa e Brasileira

A GEPB publicou-se entre 1936 e 1960, em 40 volumes, quatro dos quais são "Apêndices". Secretariada por João de Sousa Fonseca, foram seus directores Mendes Correia, António Sérgio, Gonçalves Pereira, Martins Zúquete, Manuel Otero Ferreira e Cardoso Júnior, acolhendo verbetes dum notável corpo de dezenas de colaboradores, um dos quais, Aquilino Ribeiro, é um dos romancistas contemplados neste balanço. A GEPB tinha um grande número de autores da Oposição ao Estado Novo, com claras referências às actividades dos escritores que eram adversários do regime, incluindo as prisões. Os verbetes não eram, infelizmente, assinados.
Quanto aos critérios, verifica-se um bom equilíbrio entre os dados biobibliográficos e a análise e caracterização das respectivas obras, principalmente no que respeita aos romancistas veteranos.
Não contemplo, por agora, a "Actualização", posterior ao 25 de Abril, já com um lote de colaboradores distinto, mantendo, porém, alguns da primeira série.